O dia em que eu apresentei sobre o Brasil para crianças Tchecas

Ontem aconteceu algo super legal! Pelo título dá pra ter ideia e quem viu meu Facebook ontem também já sabe. Mas aqui tem tudo tim-tim por tim-tim. Antes de contar, porém, preciso fornecer um contexto. Vamos a ele.

Depois que o Lucas foi aprovado pra entrar na IBM daqui, em Fevereiro de 2014, começamos a procurar alguma vaga em que eu me encaixasse na IBM também, afinal eu tenho mais de 4 anos de experiência na área e o domínio de Inglês me ajuda muito, mesmo tendo estado fora da área de TI há 3 anos. Achamos uma vaga e fiz entrevista pra ela em Março. Recebi a aprovação duas semanas depois, e fiquei esperando pelo contato do RH da IBM para prosseguirmos com a parte de visto/contrato etc. Infelizmente, justamente nessa época, a IBM entrou em freezing de contratações, ou seja, mesmo tendo a vaga, não podem contratar ninguém até que tudo se “descongele”. E esse descongelamento foi acontecer somente em Setembro, quando já estávamos aqui. Então infelizmente não consegui pedir meu visto de trabalho estando no Brasil.
A IBM gostaria que eu começasse a trabalhar em Novembro/Dezembro de 2014, alguns meses depois da minha chegada, tempo suficiente pra eu fazer a troca do meu visto de dependente. Para surpresa de todos, descobri (através de uma empresa de consultoria) que eu não poderia solicitar o visto logo após minha chegada, que existia um prazo a ser obedecido, e que somente a partir de Dezembro eu poderia solicitar. OK! IBM empurrou minha data de início para Fevereiro, então. No início de Dezembro enviei minha aplicação para a prolongação do visto de dependente (que me dá permissão de trabalhar em qualquer lugar pelo período que o Lucas tiver o visto dele), e só então os oficiais do departamento de Imigração me informaram que, para eu ter esse visto “aberto” para o mercado de trabalho, o meu marido precisa ter morado na República Tcheca por, no mínimo, 6 meses, que serão completos dia 11 de Março! Para meu desespero, fiquei sabendo que só poderia enviar minha aplicação após essa data e ainda esperar o tempo de processamento e, só então, poderia começar a trabalhar. Ou seja, previsão de início na empresa só para segunda quinzena de Abril.

Pensem no meu desespero. Estou desde Agosto/14 sem trabalhar. Não aguento mais assistir Netflix o dia todo. Estou ficando burra e preguiçosa, fora os quilos a mais aparecendo na minha barriga. E antes que vocês pensem em me dar conselhos sobre exercício físico: não dá pra eu fazer uma caminhada na rua numa temperatura de -10 graus (nem no Brasil em temperaturas amenas eu fazia isso, que dirá aqui!) e estou com um problema no meu joelho. Estou ficando louca.

Vendo esse meu desespero por atividades, uma amiga – Tcheca – mãe de dois filhos lindos, teve uma ideia. Conversou com a professora da menina (mais velha, 7/8 anos) e sugeriu que eu fosse até a escola fazer uma apresentação sobre o Brasil para a turma dela. É uma turma especial, de 12 alunos, que são mais avançados que os outros (QI alto e tal). Eles têm aulas de inglês normalmente, mas não é uma escola bilíngue, então o conhecimento da língua é básico, com exceção de 3 ou 4 alunos que falam inglês por causa dos pais. E eu aceitei, alegremente, esse desafio.

Cheguei na escola – pública – e junto com a Magdalena (quem teve a ideia), fomos pra sala de aula esperar pelos pequenos. Já comecei babando pela sala de aula. Super linda!

Sala de aula

sala de aula

Super equipada!

sala super equipada!

 

Os pequenos foram chegando aos poucos, e ficaram conversando sobre quais perguntas fariam pra mim – foi combinado que eles trariam perguntas que eu responderia (ou tentaria) ao final da apresentação. A professora incentivava-os a escrever as perguntas em Inglês então eles ficavam perguntando uns aos outros como se falava isso e aquilo em inglês.

Turma ainda incompleta...

Turma ainda incompleta…

Foi MUITO legal. A apresentação durou cerca de uma hora, durante a primeira aula deles. Juntaram duas turmas, então tinha um total de vinte alunos + duas professoras + a mãe-intérprete que foi quem teve a ideia. Sugeri que sentássemos em roda, e, minutos depois, todos estavam prontos. A professora fez uma introdução, mostrando num globo onde ficava o Brasil e a diferença de tamanho entre Brasil e República Tcheca. Mas eles pareciam já saber daquilo tudo, o que me deixou um pouco nervosa porque eu havia preparado uma apresentação englobando vários aspectos do Brasil e comecei a temer que nada daquilo fosse ser novo pra eles. Então comecei perguntando o que eles sabiam sobre o Brasil, e eles sabiam várias coisas. Sabiam que era muito grande, que a Floresta Amazônica fica lá, que o maior rio do mundo fica lá, que o esporte favorito é o futebol, que temos muitas frutas, que tem muitos macacos na floresta etc.

Comecei passeando com eles pela geografia do Brasil: a divisão das regiões, principalmente a região onde fica a Floresta Amazônica e a região de onde eu venho. Comparamos o tamanho dos estados do Brasil com a República Tcheca – todos ficaram impressionados em saber que é menor que o estado do Maranhão. Falei que somos o único país a falar Português na América do Sul e ensinei algumas palavras pra eles. Falei também que na época de Natal nós no Brasil vamos à praia, e eles também ficaram impressionados em saber que não tem neve lá. Mostrei fotos do que as crianças fazem na praia, brincando de construir castelos na areia, nadando naquele mar lindo rodeado por árvores verdinhas! Mostrei imagens da Floresta Amazônica, dos animais que vivem lá, perguntei o que eles fariam se vissem uma onça-pintada. Falei sobre o futebol, mostrei uma foto do Neymar e todos sabiam quem era – exceto as professoras! Conversei com eles sobre o que comemos no Brasil, sobre brigadeiro, pizza doce e abacate batido com leite! Falei que temos a primeira mulher-presidente, e perguntei quem dali seria a primeira mulher-presidente da República Tcheca (uma menininha levantou a mão rapidinho!). Falei do Carnaval, que o país todo pára pra dançar e se divertir (mostrei imagens inocentes de carnaval de rua). Uma menina levantou a mão e, espantada,  perguntou “até as escolas param de ter aulas?”.

10581162_844797358910458_1362255385_o 10888590_10205544751517465_655456383169664800_n

10927258_844797855577075_1660863966_o

E aí vieram as perguntas. Algumas eu não soube responder, como “Qual o tamanho do Rio Amazonas?”, a que eu respondi “Não sei ao certo, mas são muitos e muitos quilômetros!” (escapei na tangente), ou “Quantos times de futebol tem no Brasil?”, resposta: “Centenas. Mas diria que dez times principais” – entendedores de futebol, podem me zoar, não sei de nada. Dez, pff, imagina, dez!  Perguntaram também coisas tipo “No Brasil planta-se pepinos?” e “Qual a bebida mais popular?”, a que eu respondi ser a caipirinha, conhecida mundialmente, feita de bebida alcoólica e limão – mas o limão verdinho, e não o amarelo que eles estão acostumados a ver aqui. Ao que um garoto levanta a mão e pergunta: “Por que o limão verde e não o amarelo?” hehehe. Crianças atentas e inteligentes 🙂

Levei brigadeiro pra eles, que se lambuzaram todos! Levei também uma folha com desenhos para colorir, com vários animais da Floresta Amazônica.

Brigadeiros brasileiros pra garotada :)

Brigadeiros brasileiros pra garotada 🙂

Distribuindo de brigadeiros

Distribuindo de brigadeiros

Foi uma experiência única! Muito bom estar rodeada de crianças curiosas! Me deu muita saudade dos tempos de escola e uma vontade louca de estudar.

IMG_0676

As professoras me agradeceram efusivamente e me deram um presentinho!

10940577_10205544752357486_2666689489772208124_n

Adorei! Se eu pudesse, sairia de escola em escola levando um pouco de conhecimento e cultura do Brasil pras crianças daqui. Espero que eu tenha feito um bom trabalho de ‘embaixadora’ do meu país!

P.S. Fiquei sabendo que, depois que eu fui embora, eles ficaram se perguntando se eu já tinha encontrado uma onça-pintada alguma vez e o que será que eu tinha feito pra escapar dela 🙂

 

 

Anúncios

Špilberk Castle

Vista da sacada antes de o frio chegar

Vista da sacada antes de o frio chegar

No primeiro post de 2015 vou falar sobre um dos lugares mais legais que já visitei por aqui. O Castelo Špilberk é um castelo-fortaleza, daqueles que eram feitos pra proteger a cidade, embora tenha sido construído para ser moradia do Rei.

Eu tenho o privilégio de ver esse castelo da minha sacada todos os dias, pois moro praticamente ao lado dele. Já o vi na chuva, na neve, em dias de sol, à noite. Já não o vi por conta de tanta neblina que as vezes tem nessa parte mais alta da cidade. É lindo demais, principalmente à noite quando é todo iluminado…

No Ano Novo, teve fogos e mais fogos ao redor dele, e vimos aqui, de camarote. No dia 1o de Janeiro, soltaram os fogos oficiais da cidade, que foi onde, onde? No castelo. Foi muito bonito.

Feliz Ano Novo!!

Feliz Ano Novo!!

Feliz Ano Novo!!

Feliz Ano Novo!!

 

Vamos lá para um pouquinho de História e aí conto de como foi minha visita.

O castelo Špilberk foi construído na metade do século 13 pelo Rei Tcheco Přemysl Otakar II. Durante os séculos 17 e 18, ele foi convertido em um forte, foi quando as casamatas do castelo (lugar onde se abrigava armas) foram adaptadas pra serem celas e abrigar mais de 200 prisioneiros. O exército alemão ocupou o castelo entre 1939 e 1941 e fizeram várias modificações nele, e em 1963 foi transformado em Museu e monumento cultural nacional.

A subida ao castelo já uma atração por si só: um jardim repleto de árvores e a cidade ficando pequena lá embaixo. As árvores completamente sem folhas deram um show à parte. Eu gosto muito dessa paisagem de inverno, então adorei tirar fotos de trocos e galhos se contrastando com o céu branco.

A subida ao castelo

A subida ao castelo

Brno e eu :)

Brno e eu 🙂

A cidade aparecendo lá embaixo

A cidade aparecendo lá embaixo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Muros do castelo

Muros do castelo

Uma das entradas

Uma das entradas

 

 

 

 

 

 

IMG_0041

Quando você visita o castelo, pode escolher entre visitar ele todo ou escolher as partes que quer visitar. São três no total: a torre, as casamatas (que foi a prisão) e o baluarte.

Eu estava com a minha prima, e resolvemos visitar a torre e as casamatas.
Compramos os bilhetes e veio uma moça nos levar até a entrada. Ela deu um folheto que continha o mapa das casamatas convertidas em prisão. Nos deu indicação de por onde começar, e lá fomos nós.

Ponto de partida para a visita à prisão

Ponto de partida para a visita à prisão

Para nossa surpresa, naquele momento só tinha a gente na parte da prisão. E aí você pensa: “Mas que ótimo, o lugar todo só pra vocês!”. Ledo engano. Pensa num lugar sinistro! Tudo à meia-luz, quase escuro, celas e mais celas, e ainda por cima dentro de algumas celas tinha uns bonecos pra demonstrar como eram usadas as salas como cozinha, sala do segurança, etc. É claro que eu tomei o maior susto quando vi os primeiros bonecos, pois não tinha a menor ideia que eles estariam ali.

Bonecos malditos que me assustaram

Bonecos malditos que me assustaram

Sinixxxtro

Sinixxxtro

IMG_0049

IMG_0068 IMG_0048

 

Em cada cela/sala tem uma plaquinha com um número, e você olha o número correspondente no mapa que a moça dá na entrada. E aí tem o detalhamento do que era aquele lugar, como era utilizado, por quanto tempo, modificações feitas etc.

É bem grande o espaço usado como prisão, e muito frio lá dentro.
Havia muitas celas em reforma, e por conta disso, os administradores do Museu cobriam algumas partes com uma lona de plástico, pra evitar água da chuva de entrar em contato direto com as pedras. E aí imagine você, aquele pinga-pinga numa lona de plástico, numa sala vazia, o barulho que faz? Susto número dois. Saí correndo achando que era o barulho de alguém correndo.

A sensação de estar ali dentro é bem diferente. Cada parede carregada de História, é impossível não pensar e voltar no tempo anos e anos…

IMG_0140

Depois de visitar a prisão, fomos à Torre, de onde pudemos ter uma linda vista da cidade. Chegamos a tempo de ver o pôr-do-sol e de ouvir o sino tocar bem acima de nossas cabeças, pontualmente às 16h.

 

IMG_0117

Andar mais alto da torre

Subida para a Torre

Subida para a Torre

Pátio

Pátio

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Quem vem a Brno deve visitar o castelo, e sem pressa. Sentar nos bancos do jardim, apreciar a vista da cidade, explorar o que ele tem a oferecer. Vale muito a pena, e além de tudo é super barato. Essas duas partes do castelo ficaram por 80 coroas (cerca de 10 reais) por adulto.

Com certeza é um lugar que vou visitar pelo menos uma vez por estação do ano! 🙂