Fazendo Compras

Eu me lembro a época em que gastar R$300 numa compra do mês lá em casa era uma extravagância. Isso deve ter sido lá pelos idos de mil novecentos e noventa e tantos. Meus pais compravam aquele monte de coisas de uma vez, acredito que foi o costume das famílias Brasileiras por muito tempo.

Eu nunca gostei muito de ir ao supermercado. Achava muito demorado e cansativo. Eu não era do tipo de criança que ficava pedindo tudo o que via. Não podíamos esbanjar, então era totalmente fora de cogitação ficar pedindo coisas supérfluas pros meus pais. Então eu gostava mesmo era de ficar em casa, e quando eles chegavam, depois da parte chata de ir buscar as trocentas sacolas no carro e subir escadas até em casa, era aquela festa de ver o que eles tinham comprado. E mais festa ainda quando víamos (meu irmão e eu) que tinha sorvete, salgadinho, aquelas porcarias que criança adora.

Até hoje não gosto muito de ir ao supermercado fazer compras. Sete anos casada e nunca me apeguei à nenhuma marca ou à nenhum lugar em particular. Compro o que eu tenho vontade de comer em determinado dia, e sou super influenciada por promoções.

Quando chegamos aqui em Brno, o primeiro lugar que fomos foi o mercado. É legal fazer compras em lugares novos, ver produtos diferentes, ver marcas conhecidas. Mas rapidinho eu voltei a achar tudo uma grande chateação, porque em um lugar novo você quer conhecer, explorar, ver as opções. Ver onde é mais barato, mais perto.

Bem, aqui em Brno a gente faz uma compra principal por mês, que é quando compramos produtos de higiene pessoal, limpeza, e mais algumas coisas. E, semanalmente, vamos comprando comidas frescas como carnes e legumes, conforme vai batendo a vontade e a disposição de cozinhar. Como eu disse antes, não tenho um lugar fixo pra comprar. Entro no que eu vejo primeiro. Entro no que está mais perto quando eu lembro que preciso comprar alguma coisa.

Aqui os principais supermercados de Brno:
– Albert – http://www.albert.cz/

– Billa – https://www.billa.cz/

– Kaufland – https://www.kaufland.cz/

– Globus – https://www.globus.cz/

– Tesco – http://www.itesco.cz/cs/

Vou no Albert para coisas do dia-a-dia. Estou sempre passando em frente dele, por isso. Não é meu favorito, acho meio feio e bagunçado. Os preços são bons e tem bastante promoção.

O Billa eu fui uma vez só. Achei mais caro que o Albert.

O Kaufland nunca fui, mas ouço falar que legumes, frutas e verduras são bem frescas e bem selecionadas.

Globus: longe demais do resto do mundo, mas os preços valem a pena a viagem. Duas coisas, principalmente, compensam muito: carnes e manteiga President. Fica a dica.

O Tesco é meu favorito! É grande, então tem uma boa variedade de tudo. Os preços são bons e tem bastante variedade. Mas o melhor de tudo: eles vendem online. Esse foi o segundo mês que compramos pelo site e a experiência é sensacional: o site tem a versão em Inglês. Calmamente você seleciona seus produtos e quantidade. Legumes, verduras e frutas você pode comprar por peso ou por quantidade (o que é ótimo, porque até hoje não tenho ideia de quantas batatas vêm em um kilo. Prefiro comprar 10 batatas e pronto). Eu não assisto TV, mas falam que tem uma propaganda do Tesco em que eles falam que os produtos frescos são escolhidos com muito cuidado e que os melhores vão para as entregas das compras online. E, realmente, posso afirmar: cenouras, batatas, frutas: parece que foram escolhidos pela minha avó!

Em cada categoria de produtos, tem o filtro para “promoções”, minha parte preferida.

Na hora de fazer o check-out online, você pode selecionar se quer pagar pelo site ou na entrega (somente com cartão), e escolhe o melhor dia e horário pra receber suas compras. As taxas de entrega variam dependendo do dia da semana e do horário, mas é uma média de 70CZK.

No dia da entrega, o pessoal leva as compras até sua porta. Tudo está em sacolinhas plásticas (YEY!) e eles esperam você descarregar as caixas tranquilamente. Eles te avisam se houve alguma substituição, que você pode aceitar, ou não. Aconteceu comigo de eu comprar papel higiênico tipo X mas no dia da minha entrega só tinha do tipo Y, da mesma marca.

140015

A-Tesco-home-delivery-van-008

Na primeira vez que comprei pelo iTesco, paguei online. Na segunda, passei o cartão na hora da entrega. Tudo tranquilamente, sem problema algum.

E, claro, dei uma gorgeta pro rapaz que subiu até minha porta. Vale MUITO a pena. Como não temos carro, quando íamos até o Tesco pessoalmente, voltávamos pra casa de táxi por causa das sacolas, e a corrida custava cerca de 140CZK. Agora, mesmo com a gorgeta, gasto menos dinheiro e não preciso ficar andando pra lá e pra cá e perder tempo em filas. Palmas para o Tesco.

Existe uma feira que acontece no centro da cidade, todos os dias. Eu fui uma vez, logo que cheguei aqui, pra conhecer. Não voltei mais por pura preguiça, mas pretendo. Produtos frescos de produtores locais a preços excelentes. Fora que é uma super chance de treinar Tcheco, e se envolver com a cultura e hábitos locais. Fica na Morávske Namestí.

Muita gente que mora fora do Brasil sente muita falta dos produtos que estamos acostumados a comprar lá. Reproduzir comidas comuns Brasileiras fica bem difícil estando fora. Como eu sou uma pessoa que gosta de quase qualquer comida, sofro menos. São pouquíssimas as coisas que não gosto de comer e me adapto muito fácil a novos ambientes. É claro que eu sinto falta de várias coisas, mas não morro por isso. Aqui tem leite condensado (não o Moça, mas tem, e é ótimo!) e creme de leite. Tem feijão: carioca, preto, vermelho, branco. Tem arroz. Tem carnes (até picanha, mas é caro!).

Das coisas que eu comprava sempre no Brasil, não senti falta de nada até agora. Senti falta de coisas que nem no Brasil eu comprava, só porque aqui é impossível de achar: carne seca, pão de cachorro-quente, massa pronta de pão de queijo. Mas sempre tem alguém vindo pra esses lados pra trazer pra mim 🙂

Comida é meu assunto preferido, então, como sempre, me escrevam se tiverem alguma dúvida. E pra quem já está aqui, deixo uma pergunta: Qual comida Brasileira você mais sente falta de ter no dia-a-dia?

Um abraço, e até a próxima!

Anúncios

Seguro, Sistema e Problemas de Saúde

Dizem que o ser humano começa a sentir os problemas da velhice a partir dos 27 anos. Poucos meses antes de completar meus 28, durante o inverno passado, pude atestar a esse fato. Todos os dias com temperaturas muito baixas, por volta de -10 graus, meu joelho doía. Doía muito. Subir e descer escadas virou um problema. Correr (pra pegar o ônibus, por exemplo), ficou impossível. Até que chegou o dia, em Dezembro, que eu não conseguia apoiar meu corpo (que está meio pesadinho, rs) nele. Foi quando precisei ir ao hospital daqui pela primeira vez. E foi quando eu parei pra ler a apólice do meu seguro. Bem, vou explicar melhor.

Aqui, esse lance de seguro saúde funciona da seguinte forma: Se você está na Europa à turismo, precisa ter um seguro de emergência. Alguns cartões de crédito oferecem esse seguro, se você comprou sua passagem com ele. Ele é realmente só para emergências. Se você vai praticar esportes de inverno, é preciso comprar um seguro que cubra esse tipo de atividade, pois é de alto risco. Mas vale a pena, porque as chances de você quebrar a perna esquiando não são baixas.

Se você está na Europa com visto de residência temporária de longo prazo (residência por mais de 180 dias), o seguro só de emergência não serve. Você precisa comprar um seguro que eles chamam aqui de “compreensivo”, que se assemelha ao seguro que os residentes permanentes e cidadãos têm = o público .

Existe aqui também um sistema privado, com médicos particulares, mas esses médicos não tem contratos estáveis com as empresas de seguro, então eles acabam tratando só quem tem muita grana.

No meu caso,  tenho acesso ao sistema público completo porque sou residente de longo prazo, e sou funcionária de empresa registrada na República Tcheca. Qualquer pessoa nessas condições recebe o cartão verdinho da VZP (Všeobecná zdravotní pojišťovna / General Health Insurance Company).

Observação importante: Se você é empregado de qualquer empresa aqui, você tem direito a esse seguro, mas sua família não. Você pode ter 5 filhos, 2 cachorros e uma esposa grávida. Se só você for trabalhar aqui, só você terá o seguro. Para todos os outros membros da sua família você tem que comprar os planos particulares.

Cartão do

Cartão do “SUS” Tcheco

Pois bem, voltando ao infortunado dia em Dezembro, comecei a ler minha apólice. Na época, eu não estava trabalhando, e meu seguro não era o compreensivo porque eu não sabia dessa diferenciação (em Janeiro tive que renovar e dessa vez comprei o certo).

Na apólice, a definição de emergência era qualquer evento isolado que acontecesse depois da aquisição do seguro. Falava mais um monte de coisas que não lembro. Mas, para me certificar, liguei na central de atendimento (também pra saber qual o hospital mais perto que aceitava o tal seguro). Tive que ouvir do atendente que esse seguro era somente para casos de vida ou morte! Questionei e o confrontei com o que estava escrito na apólice, e ele não soube me dizer mais nada além do nome e endereço do Hospital. Imagine, que absurdo: você quebra a perna numa queda na rua, e se não estiver em risco de morte, não poderá ser atendido? O rapaz não sabia de nada.

Um colega – Brasileiro também – que tem carro se ofereceu a me levar ao hospital, pra eu não ter que andar muito, e meia hora depois estávamos todos no Buhonice, hospital da universidade. As enfermeiras é que fazem o atendimento inicial, e não recepcionistas, como no Brasil (não sei se foi por causa do horário, era por volta das 19h). Todas falavam Inglês. Me perguntou o motivo da visita e imediatamente me encaminhou para fazer Raio-X (que eu sabia que não ia mostrar nada, pois não havia acontecido nenhum trauma). Mais uma meia hora e eu estava passando com o Ortopedista – que também falava inglês – que não constatou nada no exame, mas como eu disse que doía muito, me deu uma injeção milagrosa e pediu que eu aguardasse o outro médico especialista, que estava em cirurgia mas que iria me atender imediatamente depois. Optei por ir embora, já que a dor estava passando, e fiquei de voltar no dia seguinte para passar em consulta com o tal especialista. Não precisei pagar absolutamente nada.

No dia seguinte não retornei pois não doía mais, e prometi pra mim mesma que ia marcar uma consulta numa clínica assim que o seguro novo começasse a valer. Milagrosamente, não sei se porque não fez mais tanto frio, ou se eu não saí de casa nos dias congelantes, não doeu mais. Então, é claro, não fui a médico nenhum. Como boa Brasileira, vou deixar pra quando começar a doer de novo, no fim deste ano, hehe.

Um outro causo: o Lucas precisou fazer um pequeno procedimento numa unha encravada. Ele foi num Clínico Geral que o encaminhou pra um outro médico e no dia seguinte fez o procedimento. Dez dias depois retornou para retirada dos pontos e pronto. Simples assim.

Nesse último caso, ele usou a Medicover, que é um benefício que a IBM oferece, e que agora eu tenho também!
A Medicover é uma empresa Sueca de serviços médicos. Eles estão presentes em vários países da Europa, e aqui na República Tcheca têm vários médicos credenciados, além de duas clínicas super bem equipadas (uma em Praga e outra aqui).

A vantagem de ter esse plano extra é ter alguns serviços diferenciados, por exemplo: garantia de consulta agendada para no máximo 7 dias, atendimento por telefone para dúvidas sobre saúde, vacinação anual contra gripe, fisioterapia e reabilitação etc, além de poder usar a Medicover em qualquer país que ela esteja presente.

Cartão do plano privado que temos pela empresa.

Cartão do plano privado que temos pela empresa.

Cada pessoa tem um Clínico Geral, que é o “médico de família”, mas não é preciso de referência deste pra poder passar com algum especialista. É só marcar diretamente com quem você quer passar.

O sistema de saúde aqui é muito bom. É mais barato (pro contribuinte) do que outros países da União Europeia, e é tão bom quanto.

Se você quiser saber o preço dos seguros, veja diretamente no site das operadoras. Eu tive dessas duas empresas: PVZP e Slavia. O PVZP é uma variante do VZP (que é o público). É o mais comum e o mais aceito no país todo. O Slavia é bem aceito também, e mais barato:  https://www.pvzp.cz/en/ e w.slavia-pojistovna.cz/en/

Se você vem à turismo, tem muito mais opções: todos os bancos comercializam esse tipo de seguro, além das operadoras Porto Seguro, Allianz etc. Um mês de viagem vai custar mais ou menos R$300 (sem os esportes de inverno).

Qualquer outra dúvida, é só deixar um comentário!

Até a próxima!

Custo de Vida

Muita gente me escreve perguntando sobre os salários e preços das coisas aqui. Quase sempre é porque estão em processo de negociação de salário e não têm a menor ideia de quanto pedir, porque essas cifras altas são confusas mesmo. Agora que já passei certo tempo aqui, deu pra ter uma noção melhor de tudo e por isso resolvi falar sobre o custo de vida.

Esse negócio de salários e preços acaba sendo muito relativo, pois depende muito do estilo de vida de cada um. Se você é do tipo que gosta de sair bastante pra comer/beber, o custo vai ser diferente do que de uma pessoa mais caseira. E, mesmo se uma pessoa for caseira, mas gostar de comer muita carne (ítem caro por aqui), terá um gasto alto também.

A primeira coisa que tenho a dizer é: seu salário aqui vai ser menor do que no Brasil. Todos os Brasileiros que conheço aqui ganham menos do que ganhavam no Brasil. Às vezes pouca diferença, mas há. E isso se dá pelo fato de o custo de vida geral aqui ser mais baixo. Viver em Campinas custa 30% mais caro; em São Paulo, 55%; e no Rio de Janeiro, 58%.
Aqui você pode ver essa diferença em mais detalhes.

Vamos começar pelos impostos que pagamos do salário. Nesse site você pode colocar o seu (futuro) salário bruto, e ele calcula o valor líquido. Os descontos tiram 27% do salário bruto.

Vou listar o preço de alguns produtos e serviços em CZK e BRL pra vocês terem uma ideia:

Bilhete Mensal de transporte: 500CZK | R$62,50
Bilhete avulso de 1 hora: 25CZK | R$3,12

Almoço executivo: 80-100CZK | R$10 – 12,50
Almoço a la carte: 150CZK | R$18,70
Jantar para 2: 500CZK | R$62,50
Jantar para 2, restaurante mais chiquetoso: 800CZK | R$100
Combo McDonalds: 120CZK | R$15
Cerveja nacional: 27CZK / 500ml | R$3,30
Coca Cola: 35CZK / 300ml | R$4,38
10 ovos: 30CZK | R$3,75
Leite: 15CZK / litro | R$1,87
Batata: 15CZK / kg | R$1,87
Carne bovina de primeira: 500CZK/kg | R$62
Vinho mediano: 150CZK / garrafa | R$19

Jeans: 500CZK (C&A) | R$62,50
Tênis de corrida/basquete: 2000CZK (Nike, Adidas) | R$250

Conta de água/luz/gás: 4000CZK / 2 pessoas / apartamento de 90m2 | R$500
Internet: 700CZK / 120MB + 100 canais normais + 30 canais HD | R$87,50
Gasolina: 32CZK / litro | R$4
Pedágio: 1500CZK por ano, todas as estradas do país. | R$187
(tem opção semanal e mensal)

Cinema: 170CZK | R$22

Aluguel
Apartamento de 1 quarto, no centro: 13000CZK (contas de luz/água/gás inclusas no valor) | R$1626
Apartamento de 1 quarto, fora do centro: 9000CZK (tudo incluso) | R$1125
Apartamento de 2 quartos, no centro: 17000CZK (tudo incluso) | R$2126
Apartamento de 2 quartos, fora do centro: 13500CZK (tudo incluso) | R$1688

Taxa de Juros Poupança: 1.0% ao ano (ou menos)
Taxa de Juros Financiamento de Imóveis: 2.68% ao ano
Inflação: 1.4%

Para os pais e futuros pais: o preço de uma escolinha integral, cinco dias por semana, com refeições inclusas, varia entre 5500 e 7500CZK (R$685 – R$935) por mês. Muitas empresas têm convênios com as escolas. A IBM, além de convênios com duas escolinhas, construiu uma em parceria com a prefeitura, que é localizada no Centro Tecnológico (onde fica a maioria das empresas de TI). Todas essas que citei são bilingues (Inglês e Tcheco). Quando a criança entra em idade escolar, as escolas e universidades públicas são excelentes e é pra lá que a maioria vai.

Os profissionais de TI são bem pagos, geralmente. Aqui em Brno há várias empresas que contratam estrangeiros, como: IBM, RedHat, Honeywell, Infosys, Lufthansa, entre outras. Os salários variam muito.
Pra vocês terem uma ideia, um salário bruto de 45,000CZK é excelente para os padrões tchecos, vive-se muito bem com esse valor.

Acho importante citar que embora paguemos um valor relativamente alto de impostos, aqui não precisamos pagar tudo em dobro. O serviço de saúde pública é excelente, com hospitais e clínicas super bem equipadas e médicos e enfermeiros muito competentes (muitos falam Inglês). Cada pessoa tem um médico de família, Clínico Geral, que cuida de encaminhar os pacientes para os especialistas. Ainda não usei dentistas por aqui, mas um colega brasileiro já usou e aprovou.

O transporte público é confiável, cobre toda a cidade e arredores 24 horas por dia, é barato e os veículos estão todos sendo trocados por outros mais modernos.

A segurança pública é excelente, níveis de criminalidade baixíssimos, vejo policiais pela cidade toda fazendo patrulha o tempo todo. Em 2012 (ano mais recente que encontrei), foram 75 homicídios registrados pela polícia, no país todo. Procurei estatísticas mais recentes, mas não encontrei muita coisa em Inglês. Vou precisar de ajuda com o Tcheco pra pesquisar isso melhor 🙂
Eu só sei que me sinto super segura andando pela cidade, inclusive à noite. Uso caixas-eletrônicos sem aquele pânico de ser assaltada, e caminho tranquilamente depois da meia noite, sem medo de ser perseguida ou violentada. É claro que crimes acontecem em qualquer cidade, então é sempre bom tomar um certo cuidado, mas saber que crimes violentos aqui são raros é o que me deixa mais feliz e tranquila. Não é preciso ficar procurando apartamento com porteiro 24 horas, portão eletrônico etc. Não é preciso pagar estacionamento com medo de o carro ser roubado da rua. Posso usar meu celular e tablet nos ônibus sem medo, posso mexer na minha carteira sem ficar paranoica com as pessoas ao redor.

Resumindo, eu acho que mesmo que à primeira vista os salários aqui sejam mais baixos que no Brasil, depois de uma análise mais aprofundada posso concluir que na verdade são maiores, pois com os meus impostos eu tenho acesso a serviços de qualidade, sem ter que desembolsar a mais por isso. E o custo geral é significantemente mais baixo, portanto o que sobra no bolso é maior.

Espero ter ajudado nos seus cálculos. Se você quiser saber o preço de alguma coisa que não listei, é só escrever nos comentários.

Fontes:

http://www.deposits.org/compare-countries/80-69/czech-republic-vs-brazil.html

https://www.cnb.cz/en/statistics/money_and_banking_stat/harm_stat_data/mfi_komentar.html

http://en.wikipedia.org/wiki/Crime_in_the_Czech_Republic

Sobre o último mês

Amigos leitores, me desculpem pelo desaparecimento. Mas, explico, é compreensível: comecei a trabalhar! (Barulho de fogos de artifício)

Quem convive comigo sabe que estou esperando esse início na IBM desde Novembro do ano passado. Esse foi o período mais longo que levei pra começar a trabalhar na minha vida:

– Março 2014 – entrevista (ainda estava no Brasil, entrevista por telefone). No mesmo mês, fico sabendo que fui aprovada mas que a vaga ainda não existe e que devo aguardar.
– Setembro 2014 – recebi a oferta oficial da empresa (já estava em Brno) e a previsão de começo para Novembro.
– Outubro 2014 – fico sabendo que, por causa do meu tipo de visto aqui, só vou poder solicitar a prolongação (que me dá direito a trabalhar) em Dezembro, e então meu início ficou marcado para Fevereiro.
– Dezembro 2014 – fico sabendo que, por causa do meu tipo de visto aqui, preciso esperar o Lucas completar 6 meses de residência pra eu poder solicitar a extensão do meu. Data de início é reagendada para Abril.
– Fevereiro 2015 – Um mês antes de o Lucas completar os 6 meses de residência, submito meu pedido de visto.
– Março 2015 – Uma semana depois do meu aniversário, recebo a confirmação que meu visto foi aprovado, e que agora devo esperar a confecção do meu cartão de residência, que demora 2 semanas.
– 20 de Abril de 2015 – Meu primeiro dia na IBM 🙂

E minha semana que era a mais tranquila do mundo, passou para a mais louca. De segunda a quinta eu saio da empresa e vou direto para outros compromissos, chego em casa tarde, cansada e com fome. Não me lembrava como era, afinal, foram quase 10 meses sem trabalhar (desde Julho do ano passado, quando pedi demissão para cuidar da nossa mudança pra cá).

Pronto, taí a explicação do sumiço, com direito a timeline e tudo, pra posteridade. Foi tanta incompetência da empresa de consultoria de visto, que presta serviço pra IBM, que eu tive que correr atrás de muita informação eu mesma e agora tô manjando tudo de Vistos para a República Tcheca. Vou abrir uma consultoria haha

Desde a Páscoa, bastante coisa mudou pela cidade. O clima está perfeito – na casa dos 20 graus – e muito sol!

Charlie curtindo o sol :)

Charlie curtindo o sol 🙂

diasol

Os bares e restaurantes já colocaram mesas nas calçadas e as ruas estão cheias de gente.

parque
As árvores estão lindamente floridas e com folhas verdinhas, e os parques cheio de crianças correndo.
ruadcasa branca
11143114_10206391028673865_7137104160649732186_n

E agora está aberta a temporada de Limonadas! Todos os lugares da cidade têm essa delícia, que eu ADORO. E é do jeito que eu gosto: somente água com muito limão e gelo, e, às vezes, mel.
Limonada aqui não quer dizer necessariamente que é de limão (!). Tem limonada de limão verdinho, limão amarelo (“siciliano”), framboesa etc. Minha preferida é de limão mesmo, verde ou amarelo, tanto faz! 🙂

Refrescante!

Refrescante!

O mês de maio aqui tem dois feriados: o dia 1, que é o Dia Mundial do Trabalho, e o dia 8 que é o Dia da Libertação.
Esse último é celebrado por vários países, na maioria Europeus, e marca a libertação de algum regime opressor, ou uma revolução. É como se fosse um “dia da Independência”. No caso da República Tcheca, e vários outros países da Europa, marca a libertação da Alemanha nazista.

Um pouco de História:
Entre 1939 e 1945, durante a Segunda Guerra, a então Tchecoslováquia foi invadida pelos nazistas. Essa invasão foi o objetivo de Hitler por muito tempo, já que eles já tinham invadido a Áustria e a Tchecoslováquia ficava bem no meio do caminho. A “desculpa” dele foi que haviam muitos Alemães sendo privados de seus direitos/privilégios nesse território. Então em março de 1939 ele, do alto do Castelo de Praga, declarou a ocupação da Boêmia e Morávia.

Nazistas na Ponte Carlos, Praga, 1939

Nazistas na Ponte Carlos, Praga, 1939

Invasão Nazista em Praga, 1939

Invasão Nazista em Praga, 1939

Nazistas fazendo a guarda do Castelo de Praga, 1939

Nazistas fazendo a guarda do Castelo de Praga, 1939

Em maio de 1945, as tropas Tchecoslovacas tomaram conta da fronteira e começaram a expulsar os Alemães, com a ajuda das tropas Americanas. E aí marcou-se o dia 08 de Maio.

Alemães esperando para serem deportados.

Alemães esperando para serem deportados.

Tchecos tocando o terror nos Alemães

Tchecos tocando o terror nos Alemães

Alemães deportados, em Berlin.

Alemães deportados, em Berlin.

Mais ou menos isso 🙂

Agora que o tempo está maravilhoso, vamos começar a explorar mais a cidade e logo vou ter mais coisas pra contar por aqui!

Um abraço, e até logo!

Na shledanou!

A Páscoa que não é Páscoa

Tô pra ver Páscoa diferente como aqui!

Desde que chegamos eu ouço essa história de que a tradição de Páscoa aqui não é nada “convencional”, que envolve chicotes e bebidas, mas não tinha parado pra ler a respeito até agora.

A Páscoa no Brasil é um feriado religioso, cristão. A sexta-feira é da Paixão, que foi quando Jesus foi crucificado, e o domingo é da Ressurreição, que foi quando Jesus ressuscitou. Nessa época, lembra-se do sacrifício de Deus, que enviou Jesus para morrer por nossos pecados, e fala-se do Recomeço.

Pois bem. Aqui, 80% da população é atéia, e isso se deve ao fato de que, durante o regime comunista, grupos religiosos eram atacados e seus membros, presos. Houve uma repressão religiosa muito grande nessa época e o partido comunista forçava na população uma ideia de “ateísmo científico”. E tantos anos depois a República Tcheca se tornou o país mais não-religioso da Europa, com esse número enorme de ateus.
Logo, a Páscoa não passa de uma tradição antiga com cópias de rituais pagãos.

Os costumes desta data dão-se início na Quinta-feira, que é a chamada “Quinta-Feira Verde”, que era a cor das vestimentas medievais usadas nesse dia, o dia que antecede a sexta-feira santa. Atualmente, ninguém se veste dessa cor, mas os bares e restaurantes servem cerveja verde!

Todos no restaurante ganharam uma cerveja verde na Quinta-feira!

Todos no restaurante ganharam uma cerveja verde na Quinta-feira!

A sexta-feira não é santa. Nem feriado é. Não passa de um dia comum de trabalho. (UPDATE: A partir de 2016 a sexta-feira é também feriado. Yupi!!)
O sábado e o domingo também são dias normais. As crianças usam esses dias para se prepararem para a segunda-feira, que é a segunda de Páscoa. Durante o sábado e o domingo, elas preparam os ovos, que são pintados, e simbolizam o recomeço, uma nova vida. E os meninos preparam as pomlázkas, e é aí que a coisa começa a ficar diferente.

As pomlázkas são um tipo de chicote feito com alguns galhos de uma árvore. Os galhos são trançados e na ponta são amarradas algumas fitas coloridas.

MCE4215f3_profimedia_0012755139

Na segunda-feira de Páscoa (feriado!), os meninos e rapazes saem de casa em casa e são recebidos pelas moças. Eles, então, chicoteiam (de leve) as pernas das moças enquanto recitam poemas de Páscoa. E elas, por sua vez, dão a eles uma prenda, que pode ser um ovo colorido ou um doce, e amarram uma fita no chicote. Depois de várias visitas, eles estão com o cesto cheio de ovos e o chicote cheio de fitas coloridas.

toma chicotada!

Toma chicotada!

Com o tempo essa tradição foi mudando, e hoje em dia as moças dão um ‘shot’ de bebida como prenda (uma bebida típica, um tipo de pinga de ameixa), o que acaba fazendo com que, depois de passarem por várias casas, os rapazes estejam bêbados e acabam esquecendo que a chicoteada é somente simbólica. Essa prática é feita por homens mais velhos também, mas geralmente somente entre os membros da própria família.

No passado, as esposas dos fazendeiros usavam a pomlázka para “chicotear” todos os animais da fazenda, bem como os moradores, como um símbolo que traz fertilidade.

365845-top_foto1-seizw

A pomlázka, ovos coloridos e slivovice (bebida de ameixa): um resumo da Páscoa na República Tcheca.

220px-Gardavská_Moravské_typy

Essa moça não parece estar gostando dessa ideia de chicote de páscoa

E assim é comemorada a Páscoa aqui na República Tcheca.

Sinceramente acho bem esquisita essa história de chicote e bebida, mas é assim que é feito por aqui e as pessoas têm muito orgulho das suas tradições.

Feliz Páscoa!
Veselé Velikonoce!

Mudança de Hábito

Hoje conversei com uma aluna sobre algumas das diferenças culturais que mais senti por aqui e resolvi compartilhar aqui no blog também.

Eu nunca havia pisado na Europa antes de virmos em definitivo no ano passado, então não sabia muito o que esperar. O velho continente, um lugar tão explorado há tanto tempo, que passou por tantas mudanças na geografia, política e cultura, imagina então nos costumes?

Uma coisa que notei logo quando cheguei foi como as pessoas não “sabem” andar de ônibus. Aqui é possível entrar no ônibus/tram por qualquer porta, porque não tem cobrador. Então as pessoas entram e, ao invés de irem se espalhando pelo espaço do corredor pra dar espaço pras outras pessoas que ainda vão entrar, elas simplesmente param bem nos espaços das portas. E o mais incrível? Ninguém se incomoda com isso. Quem quiser ir mais adentro, pede licença e passa. Ninguém olha feio, ninguém olha torto, nem xinga ou pede pra dar mais espaço. Cada um no seu quadrado.
Na hora de descer no ponto, a mesma coisa: peça licença e passe pelo espacinho que vão te dar.

Outra coisa que notei, seguindo a mesma linha, foi que a maioria não pede ajuda ou gosta de ser ajudado. Principalmente as pessoas mais velhas. Já vi senhoras com uma super dificuldade de subir no ônibus e ninguém mexe o dedo pra ajudar. Já vi gente caindo no meio da rua com várias pessoas por perto e não vi aquele impulso de ajudar em ninguém. Eu tenho que até lutar contra esse impulso às vezes, porque primeiro, não sei nem falar “opa, quer uma ajuda?” em Tcheco e, segundo, não sei qual vai ser a reação da pessoa ao receber essa ajuda não esperada.

Aqui, o lema é: Cada um com seu pobrema  problema. Se vira. Dá seus pulos. O que tem seu lado bom, porque isso vale pra qualquer coisa, inclusive se você for assim ao mercado:

Sem título

Ninguém vai dar a mínima

Um amigo nosso, por exemplo, já viu uma moça levantando a saia pra arrumar a meia calça, no meio da rua. Ele notou porque não é daqui então achou estranho, mas ninguém mais percebeu ou disse alguma coisa.

É claro que, se você pedir informação pra alguém eles vão ajudar, ou pelo menos tentar. Eu já pedi uma vez pra uma senhora numa banca de jornal, e mesmo ela não falando nada de Inglês e eu só sabendo falar “autobus IKEA” em Tcheco, ela se esforçou e conseguiu me ajudar. Quando vamos a restaurantes em que os atendentes não falam Inglês, eles sempre se esforçam pra entender nosso Tcheco e “mimiquês”.

Já aconteceu de mendigo me falar “have a nice day”. Já aconteceu de garçons me ignorarem completamente em restaurante. Vai da pessoa, do humor dela no dia, do meu humor no dia.

A “indiferença” do tcheco é algo que estou aprendendo que não é pessoal. É puramente cultural.

Uma outra diferença nos hábitos aqui: sabe quando você vai contar alguma coisa com os dedos da mão? A gente faz assim:

numeros

Mas, aqui, eles fazem assim:

numeros2

Até hoje eu me perco nisso e faço a maior confusão quando estou comprando alguma coisa.  Não sei a razão disso, mas pra mim é quase um contorcionismo. Fazer o 4 assim é muito difícil!!!

Uma outra coisa, e essa eu demorei um pouco pra perceber, é que quando você entra nos bares/restaurantes, você mesmo acha uma mesa e senta. Não tem essa de esperar alguém pra te acompanhar até a mesa. É aquele negócio: se vira aí colega.

O que mais?

Aqui fala-se “tchau” no cumprimento e na despedida, como em Italiano.

É considerado rude não dizer “dobrou chut’ ” (bom apetite) antes de comer.

São só 6 meses por aqui e tenho certeza que com o passar do tempo vou descobrindo mais diferenças. Deixe um comentário se você, leitor de Brno, se lembrar de mais alguma coisa desse tipo!

É isso aí.

Na shledanou!