Špilberk Castle

Vista da sacada antes de o frio chegar

Vista da sacada antes de o frio chegar

No primeiro post de 2015 vou falar sobre um dos lugares mais legais que já visitei por aqui. O Castelo Špilberk é um castelo-fortaleza, daqueles que eram feitos pra proteger a cidade, embora tenha sido construído para ser moradia do Rei.

Eu tenho o privilégio de ver esse castelo da minha sacada todos os dias, pois moro praticamente ao lado dele. Já o vi na chuva, na neve, em dias de sol, à noite. Já não o vi por conta de tanta neblina que as vezes tem nessa parte mais alta da cidade. É lindo demais, principalmente à noite quando é todo iluminado…

No Ano Novo, teve fogos e mais fogos ao redor dele, e vimos aqui, de camarote. No dia 1o de Janeiro, soltaram os fogos oficiais da cidade, que foi onde, onde? No castelo. Foi muito bonito.

Feliz Ano Novo!!

Feliz Ano Novo!!

Feliz Ano Novo!!

Feliz Ano Novo!!

 

Vamos lá para um pouquinho de História e aí conto de como foi minha visita.

O castelo Špilberk foi construído na metade do século 13 pelo Rei Tcheco Přemysl Otakar II. Durante os séculos 17 e 18, ele foi convertido em um forte, foi quando as casamatas do castelo (lugar onde se abrigava armas) foram adaptadas pra serem celas e abrigar mais de 200 prisioneiros. O exército alemão ocupou o castelo entre 1939 e 1941 e fizeram várias modificações nele, e em 1963 foi transformado em Museu e monumento cultural nacional.

A subida ao castelo já uma atração por si só: um jardim repleto de árvores e a cidade ficando pequena lá embaixo. As árvores completamente sem folhas deram um show à parte. Eu gosto muito dessa paisagem de inverno, então adorei tirar fotos de trocos e galhos se contrastando com o céu branco.

A subida ao castelo

A subida ao castelo

Brno e eu :)

Brno e eu 🙂

A cidade aparecendo lá embaixo

A cidade aparecendo lá embaixo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Muros do castelo

Muros do castelo

Uma das entradas

Uma das entradas

 

 

 

 

 

 

IMG_0041

Quando você visita o castelo, pode escolher entre visitar ele todo ou escolher as partes que quer visitar. São três no total: a torre, as casamatas (que foi a prisão) e o baluarte.

Eu estava com a minha prima, e resolvemos visitar a torre e as casamatas.
Compramos os bilhetes e veio uma moça nos levar até a entrada. Ela deu um folheto que continha o mapa das casamatas convertidas em prisão. Nos deu indicação de por onde começar, e lá fomos nós.

Ponto de partida para a visita à prisão

Ponto de partida para a visita à prisão

Para nossa surpresa, naquele momento só tinha a gente na parte da prisão. E aí você pensa: “Mas que ótimo, o lugar todo só pra vocês!”. Ledo engano. Pensa num lugar sinistro! Tudo à meia-luz, quase escuro, celas e mais celas, e ainda por cima dentro de algumas celas tinha uns bonecos pra demonstrar como eram usadas as salas como cozinha, sala do segurança, etc. É claro que eu tomei o maior susto quando vi os primeiros bonecos, pois não tinha a menor ideia que eles estariam ali.

Bonecos malditos que me assustaram

Bonecos malditos que me assustaram

Sinixxxtro

Sinixxxtro

IMG_0049

IMG_0068 IMG_0048

 

Em cada cela/sala tem uma plaquinha com um número, e você olha o número correspondente no mapa que a moça dá na entrada. E aí tem o detalhamento do que era aquele lugar, como era utilizado, por quanto tempo, modificações feitas etc.

É bem grande o espaço usado como prisão, e muito frio lá dentro.
Havia muitas celas em reforma, e por conta disso, os administradores do Museu cobriam algumas partes com uma lona de plástico, pra evitar água da chuva de entrar em contato direto com as pedras. E aí imagine você, aquele pinga-pinga numa lona de plástico, numa sala vazia, o barulho que faz? Susto número dois. Saí correndo achando que era o barulho de alguém correndo.

A sensação de estar ali dentro é bem diferente. Cada parede carregada de História, é impossível não pensar e voltar no tempo anos e anos…

IMG_0140

Depois de visitar a prisão, fomos à Torre, de onde pudemos ter uma linda vista da cidade. Chegamos a tempo de ver o pôr-do-sol e de ouvir o sino tocar bem acima de nossas cabeças, pontualmente às 16h.

 

IMG_0117

Andar mais alto da torre

Subida para a Torre

Subida para a Torre

Pátio

Pátio

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Quem vem a Brno deve visitar o castelo, e sem pressa. Sentar nos bancos do jardim, apreciar a vista da cidade, explorar o que ele tem a oferecer. Vale muito a pena, e além de tudo é super barato. Essas duas partes do castelo ficaram por 80 coroas (cerca de 10 reais) por adulto.

Com certeza é um lugar que vou visitar pelo menos uma vez por estação do ano! 🙂

Anúncios

Ossário de Brno

Muitas coisas têm acontecido por aqui que merecem postagens, mas tudo está um pouco atrasado porque estou com visita em casa! Minha prima Isabelle fez 18 anos e ganhou um super presentão dos pais: veio passar quase um mês aqui em Brno com a gente e nesse meio tempo fizemos umas viagenzinhas por aí, que eu escreverei sobre, em breve.

Aproveitei a visita da Isa pra conhecer vários lugares de Brno que eu não tinha conhecido ainda. Um dos primeiros lugares que fui com ela foi o ossário que fica na Igreja de São Tiago. Eita. Nunca tinha parado pra escrever isso em Português. É a St. James Church.

A história é a seguinte: como em toda igreja, havia um cemitério nos fundos, datado do século 13. Mas por causa das pragas que assolaram a Europa, a capacidade do cemitério foi atingida rapidamente, então eles adotaram um novo sistema de enterro, onde retirava-se o cadáver já enterrado há muito tempo e enterrava-se um novo cadáver no lugar. Colocava-se, então, esses ossos dos cadáveres exumados em uma cripta no subsolo da igreja. Essa cripta foi se enchendo e então construíram um ossário adjacente à cripta, que também foi cheio rapidamente. Quando ambos os “depósitos” se encheram, a porta de conexão com a igreja foi selada.

Em 1784, houve uma reforma que aboliu os cemitérios em igrejas por razões sanitárias, então as paredes em torno da igreja (onde ficava o cemitério) foram demolidas, e o solo pavimentado. E o ossário caiu no esquecimento.
Foi quando, em 2001, numa escavação arqueológica no terreno da praça onde fica a igreja (haveria uma reforma), encontraram tudinho lá embaixo. Imaginem a surpresa. Mais de 50 mil pessoas enterradas lá, vítimas da praga medieval e epidemias de cólera, e também pessoas vítimas das guerras que ocorreram por aqui. Tudo isso “guardado” no subsolo da igreja por anos e anos!

Por causa do mofo e umidade, se não fossem tratados, os ossos todos sofreriam decomposição, então a única forma de manter tudo conservado seria reformar a cripta e abrir ao público. Houve limpeza de tudo, é claro, e hoje é um lugar para visitação. É o segundo maior ossário da Europa, perdendo apenas para as Catacumbas de Paris.

O bilhete custa 140 coroas tchecas. É um lugar relativamente pequeno, são três salas, mas é super interessante e vale a pena a visita. Ficamos lá dentro cerca de meia hora.
Ah, fica tocando uma musiquinha sinistra, dá até um medinho hihi

Pilhas e mais pilhas de crânios

Pilhas e mais pilhas de crânios

Sinixxtro

Sinixxtro

Ossos por toda parte

Ossos por toda parte

photo 2 photo 1

Medinho hehe

Medinho hehe

República Tcheca + a cidade de Brno

– Como é que fala o nome da cidade? – Brno. – Bruno? – Não. Bruno é nome de gente. Brno. Brrr. No. Sem vogal no meio. É chatinho mesmo de falar, e soa meio esquisito, mas ter uma vogal só na palavra dá nisso. E é pra lá que vamos: Brno, região sul da República Tcheca. A República Tcheca é um país na Europa Central (e não do Leste Europeu, como muitos acham) com pouco mais de 10 milhões de habitantes que vivem em uma área de mais ou menos 79 mil metros quadrados (cabem 3 Repúblicas Tchecas no estado de São Paulo). O país é dividido em 13 regiões (e não estados) e cada região tem sua capital. Brno é a capital da região Morávia do Sul. O país faz divisa com 4 países: Alemanha, Polônia, Áustria e Eslováquia, este último fazia parte do mesmo território (Tchecoslováquia) mas que foi separado em 1993.

Imagem

A República Tcheca faz parte da União Européia desde 2004 mas não faz parte da zona do euro. Sua moeda é a Coroa Tcheca. Um real vale mais ou menos 10 coroas.

O que mais dizer sobre a República Tcheca? Pelo que tenho visto de fotos na internet, é um país lindo que não se resume à sua capital Praga e sua tradição em cervejas. Vai muito além, com cidades belíssimas e uma herança histórica de cair o queixo. Brno é a segunda maior cidade da República Tcheca, com cerca de 400 mil habitantes, dos quais quase um terço é de estudantes, pois a cidade abriga as maiores e mais importantes universidades do país. Olha que legal: em Brno tem uma universidade que foi recentemente reformada e é o campus universitário mais moderno de toda a Europa, que engloba as faculdades de Medicina, de Ciências e do Desporto. Foi em Brno que Gregor Mendel (o pai da genética) fez todas as suas experiências e morreu, em 1884. A cidade é pequena para os nossos padrões, mas não se engane, tem um aeroporto super moderno de onde saem voos para vários lugares da Europa, como Londres e Moscou, e também um sistema de transporte público que funciona muito bem, que inclui linhas de ônibus, trolleybus e trams, que são como bondes. Existe também linhas de trem que fazem viagens para várias cidades da República Tcheca e também viagem “internacional”, como para Vienna (Brno está cerca de 150 kilômetros de Vienna, na Áustria. Mais perto do que ir à Praga, que está a  mais ou menos 250 km de Brno).

Imagem

Trolleybus

Imagem

aeroporto de Brno, super modernoso!

É uma cidade muito bonita (pelo que vejo pelas fotos do Google) e repleta de igrejas, castelos e lendas… Não vejo a hora de conhecer cada canto de lá! Imagem

O primeiro…

Lá vou eu tentar manter um blog de novo. Já fiz isso antes, nas bobeiras de adolescente que quer escrever sobre qualquer coisa, e também quando morei no Canadá. Esta vez vai ser mais ou menos como a última, mas vou tentar com mais afinco.

Pra quem ainda não sabe, o Lucas e eu estamos de mudança pra República Tcheca (YEY!).
A reação mais comum que nós tivemos até agora quando contamos isso pras pessoas é “Ahn? oi? República Tcheca? Fazer o que?”. E aí depois que explicamos tudo (o que vou fazer já já, aguenta mais um pouco), as pessoas ficam empolgadas com a gente!
Então resolvi fazer esse blog pra ir relatando as histórias e também registrando todo o processo de mudança. É bom pra mim, pois ajuda a controlar a ansiedade que me corrói, e é também um jeito de as nossas famílias e amigos irem acompanhando como andam as coisas por lá.
Uma outra coisa que me motivou a escrever o blog foi a falta de informação que tem sobre a República Tcheca, mais especificamente sobre a cidade de Brno (que é pra onde estamos indo). Tem quase nada de informação e o que tem tá espalhado entre blogs de expatriados e mochileiros, que não refletem a nossa situação. Tem comunidades no Facebook do tipo “Brasileiros em Praga”, “Brasileiros na República Tcheca” e tal, mas são muito paradas e não tem nada de útil a não ser convites para shows do Roupa Nova. Então daí veio a idéia de começar a escrever o blog desde já!

 

 

Bom, resumidamente, o que aconteceu foi: O Lucas se candidatou à uma vaga na IBM de Brno, fez várias entrevistas, passou nelas, e recebeu uma proposta que ele aceitou! E agora a IBM está fazendo o processo de visto de trabalho pra nós, e devemos embarcar em Agosto! É um processo chatinho e demorado esse de visto e documentação, então não temos ainda uma data certa de ir, mas deve ser no final de Agosto.

O que é ser expatriado? É quando a empresa fala assim “Fulano, precisamos que você faça seu trabalho no país X, então vamos pagar tudo pra você ir pra lá com a sua família: sua casa, escola pros seus filhos, passagens de avião todos anos pra você visitar seu país, etc etc etc.” Ou seja, é o paraíso. Deve ser bom demais. Mas não é nosso caso.
A iniciativa de procurar trabalho fora do Brasil partiu do Lucas, ele foi e conseguiu a vaga, não teve intervenção nenhuma por parte da empresa. Ele participou de um processo seletivo que estava aberto interna e externamente e foi selecionado. Ele vai se desligar da IBM Brasil e ser contratado na IBM República Tcheca.
Existe um programa na IBM que faz essa transição do funcionário, eles dão bastante suporte, explicam detalhadamente como será o processo, colocam à nossa disposição consultorias de imigração pra fazer a papelada, também consultoria financeira pra explicar como funcionam as coisas por lá, como imposto de renda, aposentadoria etc, então temos o suporte por parte da IBM Brasil, mas só!

Por isso que eu digo que a nossa experiência não será a de um expatriado, porque nós é quem vamos correr atrás de tudo: apartamento, carro, móveis, enfim, tudo. O que torna a experiência toda muito mais interessante, porque vai ser tudo absolutamente novo pra gente – nunca colocamos o pé na Europa – e mesmo já tendo morado fora, não será a mesma coisa. Não temos a menor idéia da cultura Tcheca, da língua, de como é viver lá! Vai ser muito legal descobrir isso tudo!!!

Então eu vou contando por aqui tudo o que já sabemos sobre a República Tcheca e Brno, e assim vocês podem ir acompanhando com a gente mais essa mudança que vamos fazer! 🙂

Bem vindos ao nosso blog, fiquem à vontade pra comentar, rir da nossa cara, dar idéias e sugestões, criticar, enfim, queremos compartilhar essa fase com vocês….

Um abração!

 

 

Nat, Lucas e Charlie

Imagem