Sobre o último mês

Amigos leitores, me desculpem pelo desaparecimento. Mas, explico, é compreensível: comecei a trabalhar! (Barulho de fogos de artifício)

Quem convive comigo sabe que estou esperando esse início na IBM desde Novembro do ano passado. Esse foi o período mais longo que levei pra começar a trabalhar na minha vida:

– Março 2014 – entrevista (ainda estava no Brasil, entrevista por telefone). No mesmo mês, fico sabendo que fui aprovada mas que a vaga ainda não existe e que devo aguardar.
– Setembro 2014 – recebi a oferta oficial da empresa (já estava em Brno) e a previsão de começo para Novembro.
– Outubro 2014 – fico sabendo que, por causa do meu tipo de visto aqui, só vou poder solicitar a prolongação (que me dá direito a trabalhar) em Dezembro, e então meu início ficou marcado para Fevereiro.
– Dezembro 2014 – fico sabendo que, por causa do meu tipo de visto aqui, preciso esperar o Lucas completar 6 meses de residência pra eu poder solicitar a extensão do meu. Data de início é reagendada para Abril.
– Fevereiro 2015 – Um mês antes de o Lucas completar os 6 meses de residência, submito meu pedido de visto.
– Março 2015 – Uma semana depois do meu aniversário, recebo a confirmação que meu visto foi aprovado, e que agora devo esperar a confecção do meu cartão de residência, que demora 2 semanas.
– 20 de Abril de 2015 – Meu primeiro dia na IBM 🙂

E minha semana que era a mais tranquila do mundo, passou para a mais louca. De segunda a quinta eu saio da empresa e vou direto para outros compromissos, chego em casa tarde, cansada e com fome. Não me lembrava como era, afinal, foram quase 10 meses sem trabalhar (desde Julho do ano passado, quando pedi demissão para cuidar da nossa mudança pra cá).

Pronto, taí a explicação do sumiço, com direito a timeline e tudo, pra posteridade. Foi tanta incompetência da empresa de consultoria de visto, que presta serviço pra IBM, que eu tive que correr atrás de muita informação eu mesma e agora tô manjando tudo de Vistos para a República Tcheca. Vou abrir uma consultoria haha

Desde a Páscoa, bastante coisa mudou pela cidade. O clima está perfeito – na casa dos 20 graus – e muito sol!

Charlie curtindo o sol :)

Charlie curtindo o sol 🙂

diasol

Os bares e restaurantes já colocaram mesas nas calçadas e as ruas estão cheias de gente.

parque
As árvores estão lindamente floridas e com folhas verdinhas, e os parques cheio de crianças correndo.
ruadcasa branca
11143114_10206391028673865_7137104160649732186_n

E agora está aberta a temporada de Limonadas! Todos os lugares da cidade têm essa delícia, que eu ADORO. E é do jeito que eu gosto: somente água com muito limão e gelo, e, às vezes, mel.
Limonada aqui não quer dizer necessariamente que é de limão (!). Tem limonada de limão verdinho, limão amarelo (“siciliano”), framboesa etc. Minha preferida é de limão mesmo, verde ou amarelo, tanto faz! 🙂

Refrescante!

Refrescante!

O mês de maio aqui tem dois feriados: o dia 1, que é o Dia Mundial do Trabalho, e o dia 8 que é o Dia da Libertação.
Esse último é celebrado por vários países, na maioria Europeus, e marca a libertação de algum regime opressor, ou uma revolução. É como se fosse um “dia da Independência”. No caso da República Tcheca, e vários outros países da Europa, marca a libertação da Alemanha nazista.

Um pouco de História:
Entre 1939 e 1945, durante a Segunda Guerra, a então Tchecoslováquia foi invadida pelos nazistas. Essa invasão foi o objetivo de Hitler por muito tempo, já que eles já tinham invadido a Áustria e a Tchecoslováquia ficava bem no meio do caminho. A “desculpa” dele foi que haviam muitos Alemães sendo privados de seus direitos/privilégios nesse território. Então em março de 1939 ele, do alto do Castelo de Praga, declarou a ocupação da Boêmia e Morávia.

Nazistas na Ponte Carlos, Praga, 1939

Nazistas na Ponte Carlos, Praga, 1939

Invasão Nazista em Praga, 1939

Invasão Nazista em Praga, 1939

Nazistas fazendo a guarda do Castelo de Praga, 1939

Nazistas fazendo a guarda do Castelo de Praga, 1939

Em maio de 1945, as tropas Tchecoslovacas tomaram conta da fronteira e começaram a expulsar os Alemães, com a ajuda das tropas Americanas. E aí marcou-se o dia 08 de Maio.

Alemães esperando para serem deportados.

Alemães esperando para serem deportados.

Tchecos tocando o terror nos Alemães

Tchecos tocando o terror nos Alemães

Alemães deportados, em Berlin.

Alemães deportados, em Berlin.

Mais ou menos isso 🙂

Agora que o tempo está maravilhoso, vamos começar a explorar mais a cidade e logo vou ter mais coisas pra contar por aqui!

Um abraço, e até logo!

Na shledanou!

Ossário de Brno

Muitas coisas têm acontecido por aqui que merecem postagens, mas tudo está um pouco atrasado porque estou com visita em casa! Minha prima Isabelle fez 18 anos e ganhou um super presentão dos pais: veio passar quase um mês aqui em Brno com a gente e nesse meio tempo fizemos umas viagenzinhas por aí, que eu escreverei sobre, em breve.

Aproveitei a visita da Isa pra conhecer vários lugares de Brno que eu não tinha conhecido ainda. Um dos primeiros lugares que fui com ela foi o ossário que fica na Igreja de São Tiago. Eita. Nunca tinha parado pra escrever isso em Português. É a St. James Church.

A história é a seguinte: como em toda igreja, havia um cemitério nos fundos, datado do século 13. Mas por causa das pragas que assolaram a Europa, a capacidade do cemitério foi atingida rapidamente, então eles adotaram um novo sistema de enterro, onde retirava-se o cadáver já enterrado há muito tempo e enterrava-se um novo cadáver no lugar. Colocava-se, então, esses ossos dos cadáveres exumados em uma cripta no subsolo da igreja. Essa cripta foi se enchendo e então construíram um ossário adjacente à cripta, que também foi cheio rapidamente. Quando ambos os “depósitos” se encheram, a porta de conexão com a igreja foi selada.

Em 1784, houve uma reforma que aboliu os cemitérios em igrejas por razões sanitárias, então as paredes em torno da igreja (onde ficava o cemitério) foram demolidas, e o solo pavimentado. E o ossário caiu no esquecimento.
Foi quando, em 2001, numa escavação arqueológica no terreno da praça onde fica a igreja (haveria uma reforma), encontraram tudinho lá embaixo. Imaginem a surpresa. Mais de 50 mil pessoas enterradas lá, vítimas da praga medieval e epidemias de cólera, e também pessoas vítimas das guerras que ocorreram por aqui. Tudo isso “guardado” no subsolo da igreja por anos e anos!

Por causa do mofo e umidade, se não fossem tratados, os ossos todos sofreriam decomposição, então a única forma de manter tudo conservado seria reformar a cripta e abrir ao público. Houve limpeza de tudo, é claro, e hoje é um lugar para visitação. É o segundo maior ossário da Europa, perdendo apenas para as Catacumbas de Paris.

O bilhete custa 140 coroas tchecas. É um lugar relativamente pequeno, são três salas, mas é super interessante e vale a pena a visita. Ficamos lá dentro cerca de meia hora.
Ah, fica tocando uma musiquinha sinistra, dá até um medinho hihi

Pilhas e mais pilhas de crânios

Pilhas e mais pilhas de crânios

Sinixxtro

Sinixxtro

Ossos por toda parte

Ossos por toda parte

photo 2 photo 1

Medinho hehe

Medinho hehe